sábado, 20 de outubro de 2018

A facada vem sempre de onde menos se espera.




Jair Bolsonaro resolveu apelar, pela enésima vez, ao recurso da suposta ameaça terrorista. Desta vez para justificar a ausência no debate presidencial, decisão inteligente levando em conta o despreparo do candidato em todas as áreas da governação.

Novamente dá força à cada vez mais popular tese de que a esquerda o deseja matar, tese essa que de tempos em tempos ganha um impulso extra a partir daqueles que são próximos a Bolsonaro, como Olavo de Carvalho, o líder de seita que, por meio do activismo digital dos seus fanáticos, teve um papel fundamental na popularização de Bolsonaro, até então levado a sério apenas por um sector bem marginal do eleitorado,  e que moldou o actual Bolsonaro. O mito da conspiração comunista do Foro de São Paulo, o americanismo e israelismo em detrimento do velho nacionalismo, o conceito de marxismo cultural e a tese de que a educação brasileira foi destruída pelo “paulofreirismo” foram absorvidos por Bolsonaro a partir da sua aproximação ao líder de seita Olavo de Carvalho, para não falar da bandeira “anti kit gay” ou, na sua variação mais recente, da defesa do incesto por Haddad:


A tese de um atentado contra a vida de Bolsonaro, ao menos na versão “atentado petista”, para além de incendiária, é completamente disparatada se analisada friamente. A sobrevivência futura do PT, neste momento, depende da presidência Bolsonaro. Todos sabemos que o PT, no caso improvável de vencer as eleições, não teria condições de governabilidade e cairia logo. Se há esperança para o PT, ela reside justamente na ascensão e sobrevivência do governo Bolsonaro, garante de uma péssima gestão associada à direita e de quatro anos de instabilidade, o suficiente para se pavimentar o caminho do retorno ao poder. 

Porém, imaginemos que Bolsonaro fosse realmente alvo de um atentado bem sucedido e que o mesmo fosse imediatamente atribuído ao PT. Qual seria o resultado? Posso lhes responder: a destruição do PT como força política e o fim da carreira de todos os seus quadros mais importantes, especialmente se acontecer logo no princípio da presidência, quando a sua popularidade estiver no pico. Para meu desconforto, tenho reparado que muitos indivíduos ligados a grupos de poder que agora se alinham com Bolsonaro repetem vezes sem conta a ladainha de que estão muito preocupados com a sua vida, especialmente entre advogados ligados à maçonaria, ao opus dei e a outros grupos de influência. Eu, que não nasci ontem, não vou ao ponto de dizer que tenho a certeza de que tal possa acontecer, até porque há muitos cenários em aberto, mas tudo isso me reforça as suspeitas que levantei em posts passados. 

No caso dos apoiadores locais de Bolsonaro, isso faria todo o sentido, até porque entraram numa guerra sem quartel com o PT e têm tudo a perder (e muito para gastar), e os estrangeiros não teriam problemas com isso, afinal, apostam em quase todos os cenários,  ou melhor, em todos os cenários que levem ao enfraquecimento da capacidade negocial do Brasil. Quanto a Bolsonaro, parece não ter aprendido a grande lição da facada que tomou: ela vem sempre de onde menos se espera, quando menos se espera e de alguém bem próximo...


13 comentários:

  1. Isso fortalece a suspeita de que Bolsonaro pode ser morto, caso se confirme a sua vitória nas urnas, por pessoas dentro do seu próprio circulo.

    Bolsonaro não é uma pessoa muito inteligente. Ele pode ser descartado mais rápido do que nós podemos imaginar.

    O problema é que os parceiros de Bolsonaro quando derem cabo da vida dele, tentarão passar a imagem de que ele foi morto por comunistas, gayzistas, jesuítas, e outros "istas" para darem inicio até mesmo uma guerra civil dentro do Brasil.

    ResponderEliminar
  2. Certamente ouve algum grupo por traz do atentado contra o Bolsonaro, não acredito na hipótese de "lobo solitário" e que tenha agido sozinho, como disse a Policia Federal, que é um orgão pouco confiável, que sempre trabalhou para interesses estrangeiros, também não acredito na hipótese que tenha sido a mando direto do PT. Ao meu ver os mais prováveis mandantes do atentado foram :

    -Grupos globalistas ligados a Soros.

    -PSOL, banqueiros e feministas.

    -Maçonaria e certos grupos ligados a eles de dentro da Policia Federal e até Exercito.

    Ou ainda todos estes grupos juntos.

    Não sei se a intenção disso é desestabilizar o Brasil, destrui-lo e quebra-lo em partes, se é promover uma revolução comunista e bolivariana aqui na America Latina, ou botar a Maçonaria totalmente no poder, ou o Exercito sei lá.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu particularmente acredito mais na possibilidade de pessoas pertencente ao circulo do próprio Bolsonaro tenham realizado esse atentado contra ele...

      Eliminar
    2. Talvez quem atacou o Bolsonaro pode ter sido o mesmo grupo que subiu no teto do congresso, black blocs, Antifa, esses lixos patrocinados por George Soros.

      Eliminar
    3. Gente que está dentro do circulo intimo de Bolsonaro também são financiados por gente ligada ao George Sores.

      Paulo Guedes, o futuro Ministro da Economia de Bolsonaro, é um deles.

      Eliminar
    4. Esquerdistas e direitistas são hilários.

      Diz ai amigão os maçons de direita koch tão pagando bem?

      Bolsonaro depois do Paulo guedes foi na globo falar com o chefão marinho, foi jantar com um dos rockefeller tem um agente do george soros dentro de seu governo.

      Não sou petista, tanto que votarei no bozo mas sei que ele é um vendido.

      Eliminar
  3. A conexão com esse sítio não é segura no meu computador. Estás a vender informações Prometheo?

    ResponderEliminar
  4. Bem, não tem muito a ver com o fato em si, mas com o resultado dessa eleição. É q li um texto de Bozo falando que não pretende descartar Michel temer, que nem tudo foi ruim no governo e que temer foi uma das coisas boas, logo tinha q manter. Sendo que se temer perder o foro, ele vai ser processado pela justiça comum. Logo, pegar um ministério é aumentar a sobrevida dele. Ele anda com um general e toffoli escolheu outro general de assessor. Acho que é estamos nos direfionando à uma democracia mitigada e os generais são peças chaves disso. Você viu o decreto expedido pelo m. Temer? Força tarefa de inteligência contra o crime organizado. A punição de quem for condenado nesses termos vai se dar em prisão de segurança máxima. Faz sentido os generais, mesmo não tendo quadro suficente, voltarem a tona com auxílio da tecnologia. Provavelmente o TSE não vai fazer nada. O crime eleitoral do Bozo foi imenso e esse mesmo tribunal tem feito vista grossa à atuação antiética desse candidato. O presidente do STF tem um assessor general que lancha com Mourão... Acho que JÁ estamos fodidos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que é porque Temer é maçom

      Eliminar
  5. Jair se esquece que terá que passar por uma cirurgia logo no inicio do mandato, e que seu vice governará em perfeita legalidade nesse período. Espero que ele saiba que cirurgias também são feitas com facas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Putz, pior que é verdade. Assim Mourão ficará no lugar do Bolsonaro por um tempo. Até parece um modo de poupar a imagem do governo do Bolsonaro.

      Então isso quer dizer guerra com a Venezuela já no inicio de 2019 ?

      Eliminar
  6. Leiam isto, gente. É de extrema importância.
    https://pleno.news/brasil/eleicoes-2018/hezbollah-pretende-interferir-nas-eleicoes-do-brasil.html

    ResponderEliminar
  7. Na imagem seria uma especie de adaga maçônica ?

    ResponderEliminar