segunda-feira, 30 de junho de 2014

Acta de fundação do curso de filosofia do astrólogo em São Paulo: mais uma prova de formação de seita que Sidi Muhammad/Olavo de Carvalho não irá refutar

Divulgaremos agora a acta de fundação do curso de filosofia do astrólogo Olavo de Carvalho em São Paulo, que por alguma razão nos faz pensar no que se passou no COF de Curitiba, o tal que acabou em orgias, trocas de casais, famílias destruídas e um exorcismo. É mais uma prova, para além dos vídeos recomendados nos posts anteriores, de que estamos a lidar com uma seita. Leiam com atenção e tratem de estudar o caso antes de opinar. Comparem o que temos afirmado, sempre a partir de provas documentais e depoimentos, com o que o Sr. Olavo tem afirmado em sua defesa, sem esquecer de levar em conta a cronologia. A cada nova afirmação fantástica do guru, encontramos novas contradicções que indicam com precisão o que o Sr. Olavo tenta esconder, ao menos para quem já apreendeu o seu modus operandi. Abaixo da acta, publicarei as notas de um colaborador anónimo sem nenhuma correcção, de modo a servir de subsídio à leitura daqueles que precisam de um desenho.








  Notas do colaborador anónimo:

«Por organização espiritual deve ser entendido qualquer agrupamento formal ou informal de seres humanos que visem, consciente ou inconscientemente, produzir mudanças em outros seres humanos. O individuo que trabalha numa organização não precisa estar dentro dela. Por exemplo, se alguém lê Marx e define algo através dos meios pelos quais Marx definiria esta mesma coisa, pertence a uma organização». [mutatis mutandis, o mesmo ocorre quando alguém lê Sidi Mohamed e age em conformidade].

«O individuo que trabalha numa organização não precisa estar dentro dela". Ou seja, não é preciso ser um olavete de longa data, não é preciso sequer pagar o curso do olavo para agir como um olavete sectario Todo o mundo que compartilha no FB difamações contra os criticos de Olavo de Carvalho trabalha inconscientemente para ele
«Não exigirei que façam nada que eu mesmo não tenha já feito na vida». Numa circunstancia dessas, o minimo de prudencia é perguntar: -- Mestre! -- Uaaalaaah!!

«Nos partidos comunistas existem emissarios treinados para dirigir os simpatizantes nas mais diversas situações. Em festinhas, por exemplo. Para mapear as forças que presidem a nossa vida e moldam nossa alma, é preciso saber que: - essas correntes não se transmitem pelo ar, por telepatia; - a propagação das ideias não ocorre no vazio; - por trás de todas as ideias que se propagam há a presença de uma organização

«De modo geral, a norma de todas as disciplinas espirituais é uma doutrina abstrata, somada à sua repetição hipnotica». Isso não é disciplina espiritual, é lavagem cerebral.

Mais adiante Sidi Mohamed explica o que entende por liberdade de consciencia: «Introdução da noção de que a liberdade de pensamento só se torna possivel mediante a escravização do corpo. Os membros -- fisicos -- ficarão amarrados no seu comportamento e não nas suas ideias. O sentido disso é que a pessoa TEM QUE ENTENDER! Há que ser homem de aço apenas no sentido MORAL e VOLITIVO. O certo é que: - não se ferirá as leis do país; - não exigirei que façam nada que eu mesmo não tenha já feito na vida.» Parece até que estamos no romance 1984, de George Orwell: "Liberdade é escravidão; guerra é paz; ignorancia é força.

Vamos ver outra lição do mestre sobre liberdade e MORAL? «Como no caso de, às três horas da manhã, só, ninguém vendo, estar com uma faca no pescoço de um milionario... nesta hora a pessoa verifica se tem ou não liberdade moral». LIBERDADE é ser capaz de obedecer ao mestre incondicionalmente, vencendo qualquer resistencia, mesmo moral ou ética entendeu por que olavetes são capazes de levar a publico correspondencias particulares que, inclusive, infamam elas mesmas?

«Não pode, assinado o contrato, sair, mesmo que que chegue ao auge do desespero antes do fim desse ano. As teorias podem ser discutidas, não os atos. A regra é: faça primeiro, julgue depois».

«Se serão coisas que prejudicarão a terceiros ou não, isto será algo de exclusiva responsabilidade minha -- Olavo. O limite é a lei e não a moralidade». Vejam: se o limite é exclusivamente a lei e não a moralidade, significa também que não é a lei enquanto regra de moralidade, mas apenas a lei enquanto você possa cair nas malhas dela, a lei enquanto limite do alcance e eficacia do poder coercitivo e repressivo do Estado. Ou seja, mesmo que uma ação seja tipificada legalmente como um crime ela só representará um limite para a atuação da "organização espiritual" (sic) se houver provas suficientes para embasar uma condenação criminal.

«Inspiração do presente metodo: (...) - Hugo de São Vitor, com a diferença de que chegamos à consciencia das coisas pelo esgoto; [confissão do mestre de que seu metodo é a inversão completa da pedagogia cristã, manja missa negra?] - Escola Gurdjieff (...)»

«Trata-se do ato de refazer a propria consciencia moral passo por passo».

Obs: Por distracção (estou cansado do caso), confundi ao princípio o curso em São Paulo com o de COF de Curitiba, quando em verdade é a acta de um curso organizado e ministrado pelo Sr. Olavo em São Paulo. Ou seja, para além do famigerado COF em Curitiba, o que acabou em orgia e exorcismo, temos ainda os institutos Lux et Sapientia e Landmark, cujo conteúdo dos cursos foi aqui abordado, e mais este velho curso ministrado em São Paulo.   


22 comentários:

  1. Olha o que o Luiz Gonzaga pensa do catolicismo

    "Qualquer padre de ESQUINA na Igreja Ortodoxa, se perguntado: 'por que que a gente tem que ter essa religião aqui', responde 'é simples, meu filho, você tem essa religião pra você realizar um processo que se chama THEOSIS, deificação; você vai fazer isto, isto, isto e aquilo pra você participar da vida divina até atingir a perfeição espiritual.' É perfeitamente claro.

    No Ocidente, eu não sei por que, a religião cristã como que se AFEMINOU. Ela virou um discurso de uma novela de amor, é uma história de amor escrita por mulheres para mulheres. As pessoas vão à Igreja no Ocidente para obter experiências emocionais, pedir ajuda, se sentir bem, 'hmmm...', percebe? Mas isso não é o projeto cristão. Se você olhar até a Idade Média, todo mundo sabia que cristianismo não era isso!

    Entra numa igreja ortodoxa e pergunta para um padre ortodoxo o que é o cristianismo e por que você deve fazer aquilo. Ele vai te dizer exatamente assim: 'é assim, assim, assim, por causa disso, disso, disso, e o propósito desse negócio é você obter a natureza divina.'

    A Igreja Ortodoxa é a única igreja em que a população masculina equivale à população feminina. A única igreja em que os homens vão é a Igreja Ortodoxa. Porque ela não é apenas esse discurso emocional diluído que se tornou a Igreja no Ocidente, onde todo mundo vai à Igreja para aplaudir, pra se sentir bem, pra sentir que Deus te ama e você ama a Deus... Para a maior parte dos homens, isso soa mais ou menos como conversa fiada, papo furado, bobagem. Se tem uma coisa que homem não gosta é quando ele percebe que alguém está tentando manipular as emoções dele, e é geralmente isso que se faz na maior parte das igrejas no Ocidente."

    ResponderEliminar
  2. "Por quê? Simples: porque eles esqueceram o que é cristianismo. 'Ah, quer dizer que as pessoas que estão lá não são sinceras?!', não! não estou dizendo isso. Mas elas realmente esqueceram.

    Uma mensagem objetiva assim [como a dos ortodoxos] é evidentemente mais crível, muito mais crível. Se é só um discurso pra você se sentir bem, e achar que Deus gosta de você... Bom... so what?!

    No Ocidente, a Igreja se tornou muito, muito afeminada. Inclusive os sacerdotes são afeminados! Então, o discurso parece um discurso pra uma adolescente de 14 anos. 'Olha, tem um cara aqui, ele ama você, ele é maravilhoso, ele é não sei o que, e você tem que amar ele também.' É essa conversa, não é?!

    Aluna: entre os evangélicos?

    Não! Na Igreja Católica também! Isso começou na Igreja Católica Romana!"

    ResponderEliminar
  3. "Olha, toda religião integral é um projeto de vida para que você alcance uma coisa objetiva. Na Igreja Católica e na Protestante, parece que ninguém fala muito qual a finalidade daquele negócio! A finalidade tem que ser para depois da morte, porque aquilo lá parece não levar a lugar algum... E é por isso que os homens não gostam de frequentá-las: 'tá, eu estou fazendo isto para quê?! Isso aqui não é objetivo.' Enquanto você vai a uma mesquita, e não é assim, você vai a um templo budista, não é assim, você vai a uma igreja ortodoxa, não é assim, você vai a uma sinagoga, não é assim...

    [Aluno comenta o Concílio Vaticano II]

    É, no Concílio Vaticano também, mas aí já era o extremo da decadência. Já tem aqui MIL anos enfiando bobagem na cabeça.

    Aluno: não aconteceu em 10 anos.

    Exatamente. Foi um processo muito longo de degeneração. Eu não sei se isso aí foi a expansão dos contos de cavalaria no final da Idade Média, dos contos de amor cortês, que foi criando essa idéia de que a religião é um negócio emocional. Outra coisa que colaborou: depois da Revolução Francesa, a religião tinha que encontrar um papel na sociedade, a religião não era racional, não fazia parte do mundo real, então algum imbecil no século XVIII pensou o seguinte: 'não, o domínio da religião é o domínio do sentimento.'

    A religião perdeu o seu propósito no Ocidente. Em qualquer outro lugar do mundo, desde a mais miserável tribo da África, até a Índia e a China, que são civilizações milenares, todo mundo tem religião pelo mesmo motivo. É claro pra todo mundo. Aqui não: a gente vai à Igreja para se sentir bem. Olha, se fosse só pra PEDIR, 'olha, eu vou nesse negócio porque eu quero ganhar alguma coisa', estaria ótimo, é objetivo, isso é mais objetivo do que 'é pra se sentir bem.' Pra se sentir bem é bobagem! 'Vou a esse lugar para me sentir mais ou menos imbecil e me sentir bem!' Experiência emocional você pode ter com um filme, uma substância química... não vale muito. Eu não sei o que há de espiritual nisso."

    ResponderEliminar
  4. "Eu estou falando objetivamente. Subjetivamente, Deus quem julga pessoa por pessoa. Eu não sei de nada. Nenhum de nós sabe de nada. Talvez um deles esteja lá só obtendo experiência emocional e vá obter mais resultado do que a gente tá buscando a vida toda. Uma coisa é o valor que Deus pode ver interiormente, outra é como a gente julga as coisas humanamente. Mas você tem que julgar as coisas humanamente, porque você não pode sair assim, na louca. Se a gente não faz isso nem nas coisas temporais... 'não, se Deus quiser que eu tenha dinheiro, eu terei,' daí a gente não aplica nenhum sistema pra ter dinheiro?! Com a vida espiritual é a mesma coisa."

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, o Luiz Gonzaga não conhece a Igreja Católica, fica bem claro isso pela citação.

      Eliminar
    2. Luiz não conhece categoricamente e em profundidade a Igreja de Cristo que é a Igreja Católica Apostólica Romana, e ele usa de um truque sujo, diz ser "cristão" e quando posto na parede perguntado de que tipo de cristão é - (pois até Olavo na rede social admitiu que não sabe o que o filho é, veja só!) se é católico apostólico romano ou não, Luiz apaga post no Facebook, faz posts "pontificais" nervosinhos e encolerizados ensinando do alto de sua "cátedra" como é feio questionar que fé os outros tem etc etc etc e muitos outros etcs. Em suma, o seu Luiz Gonzaga de Carvalho Neto - se o ditado populacho diz "filho de peixinho, peixinho é" segue o mesmo método enrolavético do pai autodenominado "filósofo". Enrolar, prestigitar, fazer-se de "santo", de "intelectual", de "filósofo" quando é um praticante e cultor de astrologia; por isso não poderia ser verdadeiramente e realmente católico apostólico romano pois a Igreja de Cristo põe sob pena de condenação, definida com a autoridade Papal dada por Cristo a S. Pedro. Mas pode ser Luiz uma espécie de "cristão" chiclético ou chicletão digamos assim vulgarmente, onde até o cultivo de bizarrices, absurdidades, heresias várias e hereges vários antigos e novos são valiosos para o seu chicletão filosófico-religioso. Esses sujeitos (Luiz, Olavo) não são Exemplos Maiores, nem seus conselhos devem ser seguidos. Talvez anti-católicos os defendam incondicionalmente até a morte, mas eu desejo - não a morte destes indivíduos, não - mas que todas as bizarrices lhes atormentem a consciência e que se convertam e larguem essas absurdidades e adiram a Fé verdadeira, a Fé Católica, se ainda lhes restar real simplicidade e humildade para isso. É claro que irão ridicularizar e olhar com nariz empinado o que escrevo é o padrão mental dessa gente liberalóide e modernistóide. No entanto no juízo particular - se mantiverem essa postura de erro - NSJC fará as contas e cobrará as bizarrices que esses proferiram e serviram como prato de maus conselhos aos inocentes e ingênuos. Convertam-se enquanto é tempo. Valei-nos Virgem Santa Maria Mãe de Deus.

      Eliminar
  5. Outro que eu também desconfio que seja financiado por grupos sionistas é o tal do Julio Severo.

    Você já reparou como ele gosta de bajular o Estado sionista maçônico de Israel?

    Renato

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é. Ainda mais estranho é ver que os "católicos" que financiam o MSM não se incomodam com os ataques contra o catolicismo, mas se tocarmos no tema Israel...

      Eliminar
  6. Excelentes os comentários sobre a Igreja Ortodoxa. Creio que é tempo de abandonar o conflito estéril entre Catolicismo Romano e protestantismo e abordar os pressupostos da Igreja Ortodoxa, que também me parecem muito mais virtuosos.

    Pedro Marcos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pedro,

      Se achas isso, entre para a Igreja Ortodoxa ao invés de querer impor o que achas a uma instituição com 2000 anos, como faz o bruxo.

      Eliminar
    2. Carlos, não quero impor nada aos outros - e daí talvez... ;)
      Também não me interessa entrar em conflitos estéreis em assuntos de religião. Contudo, partilho da ideia da degradação ou até "pimbalhação" do catolicismo romano, como o culto mariano e o cultivo da atitude de escravo e, pior que isso, a absurda falta de cultura dos Evangelhos da esmagadora maioria dos "católicos" que conheço, com a complacência negligente dos padres de paróquia a bem de um culto "pop".
      Se há coisa que queria insistir, mais que escolha da "família religiosa" era em promover a sério conhecimentos dos evangelhos. Isto não pode ficar na mão de velhotes cansados ou sopeiras solteironas. Só isso.

      Pedro Marcos

      Eliminar
  7. S.A.R. Príncipe Soberano Hans-Adam II de Liechtenstein mostrou uma solução melhor do que a sua.

    http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1890

    ResponderEliminar
  8. Olá, gostaria de saber qual é a fonte dessa citação do Luiz Gonzaga aqui nos comentários. Obrigado.

    ResponderEliminar
  9. A fonte da citação de Luiz Gonzaga é "Religiões do Mundo II, aula 9, pt. 2/2". Transcrito na postagem de um de seus alunos https://www.facebook.com/renan.m.santos/posts/10151936029248367

    ResponderEliminar
  10. 8 minutos e 30 segundos da referida aula, para ser mais preciso.

    ResponderEliminar
  11. Se o Luiz Gonzaga disse isso mesmo, concordo com ele plenamente

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então recomendo que entres para a tarica dele e deixe o catolicismo.

      Eliminar
  12. Digitei 'viadinhos' no Google e cai aqui...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Natural. Temos citados muitos nos últimos meses.

      Eliminar
    2. Certamente um membro da famiglia de merda Carvalho se não o próprio astrólogo porcalhão em pessoa.

      Eliminar
  13. Que Deus abençoe vocês por divulgarem a imundície que é esse submundo perenialista do Olavo e sua corja.

    ResponderEliminar
  14. Oi, mas onde vocês acharam o documento? Qual é fonte? Obrigada

    ResponderEliminar