terça-feira, 9 de setembro de 2014

Burros, pero no mucho...

Quem vai morrer não é o soldadinho de mentira. 

Infelizmente, os deveres laborais, para além de outro trabalho que estou prestes a acabar, não me permitiram concluir uma série de posts que comecei a publicar sob o título "Globalismo: a cartada sionista", porém, em breve retomarei essa série e concluirei a exposição do que tenho em mente. Mas estou convicto de que alguns leitores mais bem informados conseguirão chegar lá ao ler o tal post e cruzarem os dados lá expostos com o que vou dizer agora.

Diante da posição da Rússia, que já deixou bem claro que não permitirá mais nenhum avanço das fronteiras do bloco sob ocupação sionista em direcção a Moscovo, fica claro que as elites sionistas estão apostando tudo na queda de Putin, afinal, a sua bem sucedida política externa é sua a única garantia a nível interno, e não estão minimamente preocupados com a possibilidade de um novo conflicto mundial, do qual podemos esperar, graças aos avanços tecnológicos e aos retrocessos morais das últimas décadas, algumas centenas de milhões de vítimas.

Nessa guerra, posso garantir, numa perspectiva política convencional, que nem o Ocidente e nem a Rússia sairão vencedores. Na melhor das hipóteses, a Rússia conseguirá destruir as maiores ameaças à sua existência nos dias de hoje e sobreviver, mas dificilmente conseguirá manter as fronteiras actuais. O Ocidente, se tivermos em conta o estado da sua maior garantia de segurança, o arsenal nuclear, será completamente arrasado, e só a China, uma verdadeira incógnita, pode vencer e ganhar com tal conflicto, se conseguir gerir os acontecimentos de forma a criar as circunstâncias ideias para a sua expansão. 


Sabendo disso, só há duas hipóteses para o prosseguimento da política de assédio à Rússia pelos governos de ocupação sionista instalados nas nações ocidentais: ou as elites sionistas são constituídas por imbecis ao nível dos paus mandados que actuam no palco da política exotérica, ou elas escondem alguma coisa. Caros, estou convencido da segunda hipótese e algo me diz que a destruição mútua do Ocidente e da Rússia, ou seja, da cristandade, e o desgaste máximo da China, são os verdadeiros objectivos perseguidos no caso de não se conseguir impor a nova ordem mundial pela queda de Putin na Rússia.

Cada vez mais tudo aponta para um desfecho em que a população mundial será reduzida de forma drástica pela guerra, combinada com outras catástrofes, e depois unificada politicamente a partir de um governo mundial cujo centro imperial será o actual estado de Israel, que se aproveitará do vácuo que os sionistas criaram no Médio Oriente e a relativa imunidade da qual Israel gozará durante tal conflicto. Para além de não ser um alvo prioritário num conflicto que envolva o Ocidente, a Rússia e a China, é muito possível que parte do arsenal nuclear americano desactivado, arsenal que estranhamente foi deixado ao Deus-dará nas últimas duas décadas, tenha sido transferido para uma certa nação que todos sabemos que sempre esteve por detrás de roubo de tecnologias nucleares e do tráfico de armas atómicas. Tirando essa hipótese, ou a possibilidade das elites sionistas terem enlouquecido por completo, nada mais faz sentido, incluindo a notícia abaixo: 


Fazer um exercício militar conjunto com as forças navais ucranianas em tal momento nada mais é do que lançar um isco para colher um pretexto para uma guerra. O resto é conversa para dar emprego a jornalistas e deixar o público adormecido. 


5 comentários:

  1. Descobri o blog recentemente e tenho lido coisas, que tenho achado muito estranho. Estranho atribuir a Israel a trama para implantar uma nova ordem mundial. Há estudos no sentido de que é uma trama maçônica já há mais de um século (Ler Albert Pike) isso sem falar que o mundo está sendo disputado entre três correntes, sendo elas: a dos socialistas fabianos, a dos comunistas e os islâmicos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anonimo, a criação do Estado Maçônico de Israel fez e faz parte do plano da "Nova Ordem Mundial".

      Em relação as três correntes socialistas fabianos, comunistas e os islâmicos, é só mais uma armação da direita burra neoconservadora estilo Partido Republicano nos Estados Unidos e a direita burra influenciada pelo Olavo de Carvalho no Brasil.

      Eliminar
    2. Essas três correntes são coisas de Olavo. Na verdade, os comunistas são cria da maçonaria, meu nobre.

      Eliminar
  2. http://freebeacon.com/national-security/israel-providing-intelligence-support-to-u-s-in-campaign-against-isil/

    ResponderEliminar
  3. http://agenciabrasil.ebc.com.br/internacional/noticia/2014-09/obama-anuncia-plano-contra-estado-islamico-em-pronunciamento-noite

    ResponderEliminar